20.2.06

Tal como o homem da rádio, também eu acordo antes do trinar dum relógio já velhinho que me alerta para o começo de mais um dia de passos vazios.

E como sempre, da janela aberta do meu quarto, uma janela que me dá a ver as cores do mundo repintadas de traços que não entendo, debruço-me perante os cenários que se arrastam pelos trilhos sulcados das memórias tristes dos velhos sentados na beira dos caminhos.

É por esta abertura rasgada nas quatro paredes frias, de onde me olham as vítimas de Guernica, que me apercebo da raiva e ódio semeados. Da visão profética do Apocalipse. Das rosas de Hiroshima já sem pétalas. De olhares vagos e sem brilho.

Tocam ao fundo os acordes das palavras de Zaratustra. Melancólicas e cruéis. Soltam-se, em vertentes inclinadas, gritos. Vindos dum lugar distante que Kai-Tak e Kirogi, dois impiedosos ventos, assinalaram.

Do outro lado do mundo, homens de negro sem rosto e sem defesa aguardam julgamentos de juízes sem toga. Cem razões que nos escondem da verdade. Cem maneiras de torturar almas embriagadas por outra tanta gente sem gesto. Precisamente igual aos ventos que sopram do lado da Terra dos Arianos.

Terra onde as Geórgicas de Virgílio alertam que pode estar a chegar outro Holocausto. Desta vez vindo dos céus em asas brancas onde se escuta um belíssimo canto: o Canto do Cisne.
Um canto a que as Muralhas de Tróia não podem resistir.

2 comentários:

Anónimo disse...

This is very interesting site... »

Anónimo disse...

Wonderful and informative web site. I used information from that site its great. order valium online hair loss product breast enlargement pills guide Notion parental control Inkjet cartridges in canada