6.10.06



A minha retoma

Acredita-se que os blogs criam dependência. Discreta, é certo, mas dependência. O cidadão comum – homens, mulheres e crianças, que vamos achando diariamente se quisermos - ao descobrir esta ferramenta, exorcizou alguns fantasmas de comunicação. Problemas que vivemos todos os dias pelos motivos mais complexos que se podem supor.
Eu não fujo à regra.

Excluindo os personagens que fazem disto uma forma de trabalho, outros porém, compenetram-se na divulgação e no partilhar das coisas mais incríveis. Anónimos puros que rebentaram fechaduras das escrivaninhas onde tinham guardado papelinhos segredados de imenso valor artístico e pessoal. Tanto assim, que até os próprios meios de comunicação social já têm um espaço reservado aos seus próprios blogs no aproveitar do andamento deste fenómeno.

Mas esta brincadeira também cansa, satura, mesmo sem ser deprimente. Muito mais quando não se sabe do que falar ou expor.
Nas centenas, para não dizer milhares de blogs que já visitei durante estes quatro anos para onde sigo, muitos deles ficaram pelo caminho no primeiro mês de exposição pública. Outros, nem tempo tanto duraram.
Deixando de fora os clássicos, os mediáticos, os ícones da classe jornalística, o que sobra?
Sobram mais milhares a que é impossível aceder por falta de tempo.

E é neste pormenor, que já tentei decidir acabar por aqui por mais que muitas vezes, depois de ter perdido um pouco da Cinda, do Pedro, do Fernando B., do Verso Explícito, do Green Shadows, do Ivo Jeremias, da Ângela a quem já perdi o rasto, e muitos outros que da passagem breve deixaram marcas. Outras tantas, terei pensado que melhor seria telefonar-lhes. Perguntar pela saúde, pelos miúdos, pelo cão ou periquito, e tentar saber como andam as coisas, como se de família se tratasse.

Auto-impondo um compromisso que tomei com outros mais reais (os blogs da família), vou continuar a ter enorme honra e prazer ao fazer parte do núcleo dos amigos virtuais. Não saberei nunca ao certo por quanto tempo, mas é um bem que me está enraizado.

Por isso, aí vou eu!
Abram-se-me as portas e janelas das palavras que procuro.