18.7.05

Revolta ou rebeldia?

Quando eu era rapazote, tinha uma ideia formada sobre o “conflito de gerações”. Como ninguém da gente tinha bote levávamos as miúdas a pé para falar sobre isso, e era assim que nós, os putos daquela altura, chamávamos à incompreensão existente entre pais e filhos, e o medo que eles tinham dos nossos novos comportamentos sociais que iam aparecendo naquele tempo.

Quando se fala em tempo, não há a pretensão de afirmar que no meu é que era bom. Nada disso. Todos os tempos são bons se o souber aproveitar. E como aprendi a saber viver com os mais variados juízos e gerações, e optar por aqueles que mais me pareciam adequados à minha maneira de ser e ao meu grupo social, estou à vontade.

Para muita boa gente que aqui passa, se falar sobre cabelos compridos ou calças à-boca-de-sino é como lhes recordar a sua própria juventude. Se acrescentar os Yes, Alice Cooper ou Animals (entre outros, claro), vem à memória mais coisas giras. Como as Hondas 50 e as Dyane. A Portugália , o Parque Mayer, os Porfírios, a Mary Quant e muitas imagens e mitos que as palavras daquela década nos deixaram na memória.

Memórias desse espólio que a maior parte da malta aproveitou, enraizou e enquadrou na sua formação como pessoa. Entre a segurança da rebeldia e o respeito pela revolta.
Mas hoje não é assim. Esta merda está toda virada do avesso e raros são os pais que sabem lidar com a situação. Já me veio à cabeça inclusive, uma total impossibilidade da retoma dos valores que os rebeldes e revoltados desse tempo ainda respeitavam.

Mas isto é eu a escrever coisas antigas. Coisas que sinto agora o que os velhos da minha rua também diziam: “- Olha aquele! Tem o cabelo como às mulheres.”
Só que Lisboa está tão diferente em intolerância, má-criação e falta de respeito, que eu próprio já cheguei à conclusão que fui um totó e um santinho a vida inteira e estou a agora a fazer o mesmo papel. E rio-me.
Não sei é se de revolta ou rebeldia.

2 comentários:

Menina_marota disse...

Um confronto com a realidade!!
Adorei ler-te!

Bj :)

Inês Ramos disse...

Se fosse só Lisboa... Por acaso estou cá mas sei que no Porto é exactamente igual. De qualquer das formas só passei para dizer olá. Fica bem. Bj0s